Daqui Dali

Um pouco do mundo, um mundo de coisas. Da vida, da sua e da minha. DAQUI E DALI.

24 jul 15 11:41

Arquivo da Categoria ‘Fotografia’

Fotógrafo brinca com o imaginário ao mostrar bailarinas em situações comuns

sexta-feira, 24 de julho de 2015

 

 

Você já ouviu “Ciranda da Bailarina”, música do Chico Buarque que brinca com a perfeição que essas profissionais exalam? É aquela que diz assim “Procurando bem todo mundo tem pereba, marca de bexiga ou vacina e tem piriri, tem lombriga, tem ameba. Só a bailarina que não tem”.

 

 

Pois é, depois de se encantar com a mistura de força, leveza e precisão que essa figura apresenta no palco, fica até difícil de imaginá-la em situações comuns. Esse é o grande charme do trabalho fotógrafo David Perkins: colocar bailarinas e bailarinos em momentos do dia a dia, mas sem deixar de exaltar a elasticidade e a destreza deles.

 

 

Ele brinca com o imaginário que envolve esses profissionais ao clica-los dentro de casa, mas em posições típicas da dança. “Sem luzes, sem estúdio. Sem cabelo e maquiagem produzidos. Apenas dançarinos sendo eles mesmos… bom, quase isso”, explica Perkins.

 

 

Volte à infância com essa série fotográfica cheia de pureza

quarta-feira, 15 de julho de 2015

 

 

Com ruas movimentadas, a febre dos jogos eletrônicos e poucas áreas verdes à disposição, é cada vez mais raro ver as crianças brincando ao ar livre e exercitando toda a sua criatividade. Por mostrar uma infância tão livre quanto adorável, uma série fotografada pelo jamaicano Adrian McDonald ganhou os holofotes ao redor do mundo.

 

 

E o trabalho nasceu por acaso: enquanto tirava fotos de animais e plantas ao lado de sua casa, McDonald ouviu as risadas das crianças, que são filhas de seus vizinhos, brincando no quintal. Fascinado pela pureza daquele clima, o profissional pediu a autorização dos pais dos meninos e passou a clica-los.

 

 

O mais interessante é que, por ser fotógrafo de casamento e ter um extenso equipamento, Adrian não precisou interferir na brincadeira dos pequenos. Mesmo um pouquinho mais longe da cena ele conseguiu captar o clima daquele momento em que nada mais importa, a não ser se divertir.

 

 

“Espero que essas fotos aqueçam o coração daqueles que as vejam e saibam que a beleza ainda existe na vida, nós é que às vezes escolhemos não vê-la. Crianças vivem uma vida que vale a pena ser vivida e isso é o que devemos fazer: viver, amar e rir”, disse o artista ao Huffington Post. Impossível discordar, não é?

 

Encanto e realidade se unem em projeto de ilustração

sexta-feira, 3 de julho de 2015

 

 

Sexta-feira tem ou não um gostinho especial de sonho, de inesperado, de ansiedade pelo que está por vir? Por conta desse clima, escolhi dividir hoje com vocês o trabalho do iraniano Rasoul Shokrani.

 

 

Com muita delicadeza e uma pitada de alma de criança, ele mostra a sua percepção de cenas da realidade fazendo intervenções com ilustrações simples e divertidas. O mais impressionante? Tanto as fotos quanto os desenhos são feitos pelo celular.

 


 

Nesse contexto, bailarinas ganham palcos nunca imaginados, lápis fazem traços travessos na neve e até um rinoceronte ganha a habilidade de voar. “Tento aumentar a sensação que cada local dá ao observador. Se você olhou alguma dessas ilustrações e simplesmente sorriu, eu alcancei meu objetivo”, disse Shokrani ao site “Bored Panda”.

O mundo como cenário e estampa

quinta-feira, 25 de junho de 2015

 

 

Às vezes a realidade pode ser muito mais dura do que pensamos poder aguentar. Mas em certos momentos ela também se apresenta com leveza e, como mostra o trabalho do artista visual e ilustrador de moda jordaniano Shamekh Bluwi, esse novo olhar depende da criatividade pessoal.

 

 

Conhecido por suas ilustrações de moda, ele teve a ideia de integrar o mundo às suas criações. Para isso, depois de desenhar os modelos – principalmente de vestidos de festa –, Shamekh recorta o interior das peças e as fotografa nos mais diversos cenários: é assim que prédios altíssimos, o trânsito, casas e mosaicos se tornam estampas tão inusitadas quanto belas.

 

 

Integradas ao mundo fashion, paisagens do cotidiano ganham dimensões artísticas e até uma pitada de glamour. Vale ou não a pena ver o universo ao seu redor com outros olhos e descobrir beleza onde a pressa não encontra?

 

Beleza, aceitação e muito amor

domingo, 21 de junho de 2015

 

 

A maternidade é um momento mágico e único para cada mulher. Também são únicas as consequências da gestação no corpo de cada uma e, às vezes, elas podem durar mais do que o esperado, como ocorreu com a fotógrafa norte-americana Neely Fer-Fox. Depois da segunda gravidez, dores, estrias e uma hérnia de umbigo fizeram-na desconfortável com sua própria imagem. Por conta disso, ela decidiu embarcar em um projeto de entendimento e autoaceitação que também poderia ajudar outras mães.

 

Em “Perfect Imperfections” (Imperfeições Perfeitas, em tradução para o português), a profissional fotografa 16 voluntárias que mostram seus corpos com honestidade e sem embaraço em cenas típicas do mundo materno. O complemento fica por conta dos depoimentos de cada uma, mostrando que a beleza vai muito além do que determina a estética.

 

 

Kristi E. “(…) Vir a me amar da maneira que Deus quis levou muito tempo e reflexão. Tive quatro anos de aprendizado e não poderia estar mais grata por ter tido essa experiência. Quero ser o melhor para mim, assim posso ser o melhor para a minha filha

 

 

Jenny H. “(…) Me senti muito confortável durante a sessão, provavelmente porque não podia me ver. Então eu aproveitei o momento com meus amados bebês e estou feliz que haverá fotos disso. Afinal, é a maneira como as mulheres são capazes de amar que as torna bonitas

 

 

Rachel S. “(…) Ao espiar alguns dos cliques na câmera, eu vi mais beleza do que esperava, confiança em ser a mãe e o mais importante, que a minha filha me ama porque sou sua “ma-ma” e esse amor é indescritível – ela não liga para mais nada e seu sorriso e o meu na foto dizem isso”

 

Apesar do sucesso do projeto, Neely destaca que esse é só o começo, pois pretende partir para outros horizontes dentro da temática da vergonha do próprio corpo.