Daqui Dali

Um pouco do mundo, um mundo de coisas. Da vida, da sua e da minha. DAQUI E DALI.

30 jun 15 16:47
Eliana

Sejam bem-vindos!

Tudo o que interessa ou ainda vai interessar.
Novidades, notícias, gostos, grandes assuntos, pequenos detalhes.
Um pouco do mundo, um mundo de coisas. Da vida, da sua e da minha. DAQUI E DALI.

bjobjo,

Eliana

25 jun 15 11:37 O mundo como cenário e estampa

 

 

Às vezes a realidade pode ser muito mais dura do que pensamos poder aguentar. Mas em certos momentos ela também se apresenta com leveza e, como mostra o trabalho do artista visual e ilustrador de moda jordaniano Shamekh Bluwi, esse novo olhar depende da criatividade pessoal.

 

 

Conhecido por suas ilustrações de moda, ele teve a ideia de integrar o mundo às suas criações. Para isso, depois de desenhar os modelos – principalmente de vestidos de festa –, Shamekh recorta o interior das peças e as fotografa nos mais diversos cenários: é assim que prédios altíssimos, o trânsito, casas e mosaicos se tornam estampas tão inusitadas quanto belas.

 

 

Integradas ao mundo fashion, paisagens do cotidiano ganham dimensões artísticas e até uma pitada de glamour. Vale ou não a pena ver o universo ao seu redor com outros olhos e descobrir beleza onde a pressa não encontra?

 

24 jun 15 10:49 A triste e inesperada despedida de Cristiano Araújo

 

 

É difícil acreditar que Cristiano Araújo, um jovem talentoso, cheio de planos e sonhos, partiu de forma tão abrupta, em decorrência de um acidente de carro. Como escrevi no Instagram, estou arrasada, ainda custo a crer como a vida pode ser vã…, mas nessas horas o melhor é pedir a Deus que conforte e dê força à sua família.

 

Ainda que a tristeza impere, é preciso lembrar de Cristiano como o artista empenhado, o bom pai e bom filho que ele foi. E a essência de alegria desse jovem cantor transpareceu nesse encontro, que relembro agora, como uma homenagem.

 

23 jun 15 10:47 Sociedade inclusiva: aprenda a linguagem de sinais em casa

 

 

A comunicação é uma das chaves para facilitar a compreensão do outro. Mas esse processo pode ser cheio de obstáculos quando ocorre entre um deficiente auditivo e alguém com audição padrão. O entendimento e o uso da LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), no entanto, podem facilitar muito essa conversa.

 

E você nem precisa sair de casa para aprender a linguagem de sinais. O grupo de Mídias Digitais da USP (Universidade de São Paulo) disponibiliza um curso online e gratuito sobre o assunto com material didático, videoaulas e exercícios sobre os temas propostos.

 

De acordo com a página do curso, coordenado pelo Prof. Dr. Felipe Venâncio Barbosa, do Departamento de Linguística da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, a principal ideia é que os alunos “tenham contato com conteúdos relacionados à língua de sinais, à surdez, à educação de surdos é à cultura surda”.

 

Quer fazer colaborar para uma sociedade mais inclusiva? Clique aqui, acesse o site e comece suas aulas.

22 jun 15 11:19 Trailer de documentário mostra luta de Malala pela educação

 

 

Ela se tornou alvo do Talibã e levou um tiro na cabeça por defender que as mulheres de seu país, o Paquistão, deveriam ter direito a estudar. Esse poderia ser o fim da história de Malala Yousafzai, mas o medo não venceu suas convicções e, após um período difícil de recuperação, ela se tornou uma das ativistas mais conhecidas do mundo.

 

Quase três anos depois, a jovem – atualmente com 17 anos –, já tem em seu currículo a Fundação Malala, que arrecada fundos para projetos educacionais, discursos contundentes na ONU sobre o poder dos estudos e um prêmio Nobel da Paz. E a trajetória desse símbolo de coragem será contada no documentário “He Named me Malala” (Ele me deu o nome de Malala, em tradução para o português), com estreia prevista para outubro desse ano, nos Estados Unidos.

 

 

O filme, dirigido por Davis Guggenheim (de “Uma Verdade Inconveniente”), toma como ponto de partida sua relação com o pai, professor e diretor da escola onde ela estudava antes de se mudar com a família para a Inglaterra. E o primeiro trailer, divulgado na última sexta (19), mostra a importância desse apoio à sua militância. “Ainda sou uma menina comum. Mas se eu tivesse um pai e uma mãe comuns, agora eu já teria dois filhos”, fala.

 

 

O vídeo também foca na força das palavras de Malala, que dispara “não sou uma voz, somos muitas. Nossas vozes são as mais poderosas armas”. Ela defende ainda que “uma criança, um professor, um livro e uma caneta podem mudar o mundo”.

 

Impressionante a convicção dessa jovem, que apesar das ameaças sofridas ainda quer voltar ao Paquistão e se tornar uma política por lá. Ao ver tanta coragem dá vontade de levar um pouco de seu exemplo para o dia-a-dia, não é? Afinal, a determinação e a luta contra as pequenas injustiças também ajudam a construir um bairro, uma cidade, um país e até um mundo melhor.

 

Assista ao trailer em inglês:

 

 

21 jun 15 11:14 Beleza, aceitação e muito amor

 

 

A maternidade é um momento mágico e único para cada mulher. Também são únicas as consequências da gestação no corpo de cada uma e, às vezes, elas podem durar mais do que o esperado, como ocorreu com a fotógrafa norte-americana Neely Fer-Fox. Depois da segunda gravidez, dores, estrias e uma hérnia de umbigo fizeram-na desconfortável com sua própria imagem. Por conta disso, ela decidiu embarcar em um projeto de entendimento e autoaceitação que também poderia ajudar outras mães.

 

Em “Perfect Imperfections” (Imperfeições Perfeitas, em tradução para o português), a profissional fotografa 16 voluntárias que mostram seus corpos com honestidade e sem embaraço em cenas típicas do mundo materno. O complemento fica por conta dos depoimentos de cada uma, mostrando que a beleza vai muito além do que determina a estética.

 

 

Kristi E. “(…) Vir a me amar da maneira que Deus quis levou muito tempo e reflexão. Tive quatro anos de aprendizado e não poderia estar mais grata por ter tido essa experiência. Quero ser o melhor para mim, assim posso ser o melhor para a minha filha

 

 

Jenny H. “(…) Me senti muito confortável durante a sessão, provavelmente porque não podia me ver. Então eu aproveitei o momento com meus amados bebês e estou feliz que haverá fotos disso. Afinal, é a maneira como as mulheres são capazes de amar que as torna bonitas

 

 

Rachel S. “(…) Ao espiar alguns dos cliques na câmera, eu vi mais beleza do que esperava, confiança em ser a mãe e o mais importante, que a minha filha me ama porque sou sua “ma-ma” e esse amor é indescritível – ela não liga para mais nada e seu sorriso e o meu na foto dizem isso”

 

Apesar do sucesso do projeto, Neely destaca que esse é só o começo, pois pretende partir para outros horizontes dentro da temática da vergonha do próprio corpo.